Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR

Os desafios das mulheres trans nos relacionamentos podem ser demonstrados com os depoimentos das experiências de algumas mulheres trans e as situações e aprednizados pelas quais passaram para saber identificar os sinais de quando devem investir em uma relação com um homem cis e quando não. Muitas mulheres trans passam por situações de fetichismo, objetificação e abusos, por falta de informação, problemas de autoestima e mesmo a incerteza de serem aceitas em sua condição transgênero.

Mitos e Verdades sobre as Mulheres Trans

Mito - As mulheres trans são apenas muito gays

saiba quais os mitos sobre as mulheres trans e como estes mitos impedem um melhor entendimento sobre a realidade e as verdades na vida das mulheres trans.

Este mito é impressionantemente persistente e incrivelmente comum. Ele até foi reproduzido recentemente, enquanto Lance Bass, um homem assumidamente gay, estava participando como convidado do Access Hollywood. A verdade é bastante simples: identidade de gênero e a orientação sexual não têm nada a ver um com o outro. Um ditado bastante comum pode ser usado para resolver esse mal entendido:

“orientação sexual é sobre com quem você quer ir para a cama, identidade de gênero é sobre como você quer ir para a cama”.

Minha própria preferência em abordar isso é simplesmente apontar a existência de lésbicas trans (ou seja, mulheres trans que são atraídas por outras mulheres). Problema resolvido. Vamos tomar chá e comer biscoitos.

Ou assim espero, de qualquer maneira.

Verdade - Eu acho que muita dessa confusão decorre do quão fortemente associamos o comportamento ao gênero. A assunção cultural da heterossexualidade é tão intrínseca que vemos homens homossexuais como se estivessem desafiando o que é ser homem. Eles são considerados femininos ou transgêneros simplesmente por se engajar em um modo de sexualidade que é mais comum entre as mulheres do que entre os homens, mesmo que muitos homens gays se expressem de maneira quase hiper-masculina. Este equívoco é amplificado pela nossa ênfase excessiva em relação ao sexo e à sexualidade ao pensar sobre o gênero e o que o gênero significa, por isso acabamos relacionando qualquer expressão de gênero como sendo sobre sexualidade. Tal como a suposição generalizada por homens de que as mulheres se vestem elegantemente, com estilo ou de forma sensual essencialmente como um meio de atrair homens, em vez de simplesmente ser uma expressão de sua própria identidade e sentimento naquele dia.

Este mito é prejudicial tanto para mulheres trans quanto para homens gays. Isso frequentemente faz com que as questões trans sejam negligenciadas ou subsumidas dentro de discussões mais amplas de coisas LGBTQ. Como na forma como um anúncio que circulou no jornal canadense The National Post foi em grande parte criticado por ser homofóbico em vez de transfóbico, apesar de estar quase totalmente baseado em promover o medo em relação à transgeneridade e como a narrativa sobre a PFC Manning foi escrita como a história de um homem gay nas forças armadas, apesar da evidência mostrar claramente que ela estava planejando a transição imediatamente após o retorno à vida civil. Ela continua sendo descrita mesmo por seus apoiantes em termos masculinos e como se fosse homem.

Resposta curta: sexo / gênero e sexualidade não têm relação determinista entre si. É por isso que existem coisas como pessoas gays, lésbicas e bissexuais pra início de conversa.

Mito - “É uma armadilha” / As mulheres trans são apenas caras gays tentando atrair homens heterossexuais.

Veja acima sobre nós não sermos gays.

Mas este acaba se tornando mais profundo, muito mais desagradável, muito mais degradante e muito mais perigoso.

Tão perigoso ao ponto de que muitas mulheres trans perderam suas vidas para parceiros sexuais que sentiram que eram “enganados”.

Verdade - O conceito de “enganar” é capcioso, e pode ser muito complicado avaliar as várias dimensões éticas da revelação e onde a responsabilidade de uma pessoa trans reside em termos de informar o parceiro. É um tema muito grande para enfrentar aqui, mas a Zinnia Jones fornece uma explicação fantástica neste vídeo do YouTube. Gostaria apenas de dizer que eu realmente não acho que seja a nossa responsabilidade em dar a vocês a oportunidade de vocês infligirem os seus recalques e preconceitos sobre nós; é sua responsabilidade perguntar (se é de grande importância para você). E se uma mulher era atraente para você num momento e se torna uma prostituta repulsiva e mentirosa logo em seguida, quando tudo o que mudou é que agora você conhece um detalhe em grande parte irrelevante de sua história, o problema é com suas percepções e não com o corpo dela.

As implicações problemáticas de nós sermos vistas como “armadilhas” são um pouco numerosas demais para nomeá-las todas. Algumas que vêm à mente são a suposição básica de que somos homens na “verdade”, acreditando que nossas decisões giram em torno de você e que estamos fazendo isso por sua causa, ao invés de por nossa própria causa (como o exemplo anterior sobre como homens podem interpretar a forma como uma mulher se veste), as questões de confundir a expressão de gênero com motivações sexuais, o conceito de que feminilidade e feminitude são artificiais e falsas, etc.

Mas acho que o que eu mais gostaria de frisar é como, da mesma forma com o que acontece com a teoria refutada da “autoginofilia”, parece que a sexualidade e os motivos das mulheres trans são vistas através de uma lente e lógica masculinas de sexualidade. Um homem cis hipotético senta-se no seu sofá e está distraidamente folheando uma revista pornô. Ele vê um anúncio de pornografia “shemale”. Ele se pergunta, “por que alguém faria isso? Por que um homem gostaria de se tornar uma mulher? Isso é loucura!” (sim, vamos deixar de lado a misoginia implícita aí… podemos falar sobre isso em outro momento) e ao invés de pensar nisso em termos de por que uma mulher quer um corpo feminino e não um homem, ele pensa em termos de por que um homem quer ter um corpo feminino. As conclusões que ele chega, com base no pressuposto de que um homem é fundamentalmente um agente sexual e uma mulher é fundamentalmente um objeto sexual, é que a “shemale” está fazendo isso para se deitar, atrair homens com seu novo corpo sensual, curvilíneo, como um objeto sexual. É isso ou, como no caso da “autoginofilia”, se faz isso para se ter como seu próprio objeto sexual pessoal.

Não importa o que acontece com a libido de uma mulher trans durante a TRH (terapia de reposição hormonal). Não importa que, para muitas mulheres trans, esse período de tempo, exatamente quando a libido começa a diminuir, coincide quando o comprometimento geralmente se aprofunda e todas as dúvidas e perguntas restantes são resolvidas. Esqueça isso. SÓ PODE ser sobre sexo. Porque é só pra isso que o corpo feminino é bom: sexo.

Certo? Certamente que não.

Mito - Você não está reforçando os papéis de gênero estereotipados? Você não está apenas assumindo a ideia de que para ter uma personalidade feminina você tem que ser uma mulher? Isso não perpetua a ideia de que existem formas de como mulheres e homens devem ser?

saiba quais os mitos sobre as mulheres trans e como estes mitos impedem um melhor entendimento sobre a realidade e as verdades na vida das mulheres trans.

Muito parecido com a existência de lésbicas trans que nos ajuda a refutar o mito do “muito, muito gay”, neste caso podemos apontar para a existência de mulheres transexuais masculinas e sapatonas. Ta da! O mito desaparece em um sopro de lógica. Mas para explicar mais …

Trata-se de uma confusão muito básica: falta de compreensão da diferença entre identidade de gênero e expressão de gênero.

A identidade de gênero é um senso interno de si e o que alguém fundamentalmente é. É a percepção de ser um homem ou uma mulher (ou ambos, ou nenhum, entre eles, ou qualquer outra coisa). É divorciado dos conceitos sobre o que um homem ou uma mulher devem ou não ser, e parece ser bastante inato e imutável. Também parece estar relacionado ao “mapa corporal” neurológico e ao relacionamento com o corpo de alguém — sentimentos tanto de conforto como alienação.

A expressão de gênero é o grau em que a personalidade, os interesses e o modo de auto-expressão de alguém são culturalmente considerados “masculinos” ou “femininos” (ou “andróginos”). Isso é culturalmente e socialmente mediado fortemente. O que é considerado feminino em uma cultura pode ser considerado masculino em outra. Parece haver alguns traços de gênero que são inatos em graus variados para um indivíduo, mas a expressão de gênero é uma agregação de muitos, muitos desses traços que podem ocorrer em uma variedade imensa de combinações.

Uma desconstrução imperfeita, mas muito útil, do Center for Gender Sanity (que eu acho que usei antes, na verdade) pode ser encontrada aqui.

O que faz uma pessoa transexual e a motiva em prosseguir para a transição física é tipicamente um conflito de identidade de gênero com o físico, o sexo assignado. Não é um conflito de expressão de gênero ou papel com sexo físico e assignado. Não transicionamos porque sentimos que somos muito femininas para ser homens, ou que a presença de características femininas significa que devemos ser mulheres. A motivação é muito mais profunda e muito menos analítica do que isso. Transicionamos simplesmente porque nos conhecemos enquanto mulheres… totalmente independentes de quão bem ou não nós nos encaixamos nos estereótipos femininos.

Verdade - Portanto, não estamos simplesmente baseando isso em um conceito excessivamente rígido de papéis de gênero, onde precisaríamos ter nossos corpos conformados a um binário socialmente instruído. Estamos apenas procurando que nossos corpos se adaptem ao nosso próprio senso de pertencimento para que possamos sentir que eles são nossos próprios, em vez de uma coisa alien estranha, grosseira e assustadora que acontece de estar grudada em nós. E nossa existência não apoia, perpetua ou depende desses binários, de modo algum … estamos transgredindo-os fundamentalmente e afirmando que eles podem ser quebrados, e às vezes devem.

Mito - Se a nossa cultura não tivesse papéis de gênero tão estritos, não haveria necessidade de transição.

Este é outro erro decorrente da confusão da identidade de gênero com a expressão de gênero, e também novamente da crença de que uma mulher trans faz sua decisão porque ela não se sente bem com o papel de gênero masculino ao invés de um corpo masculino.

O argumento diz que, basicamente, se quebrássemos o binário socialmente arbitrado e a “camisa de força de gênero”, não sentiremos qualquer sentimento de conflito entre nós mesmos e nosso sexo atribuído.

Mas, novamente, não fazemos a transição em decorrência do desconforto com o papel de gênero masculino. Nós transicionamos em virtude do desconforto com um corpo masculino.

Verdade - Não importa o quão aberta, esclarecida e sem gênero, nossa sociedade poderia ser, a maioria das mulheres se sentiria instantaneamente alienada e perturbada por ter um pênis, um par de testículos bombeando testosterona, um rosto e corpo peludo, com distribuição masculina de músculo e gordura, uma peito plano, aquele cheiro ácido de vestiário masculino, pele oleosa, etc. E a maioria dos homens iria diretamente se sentirem assustados e consternados por ter uma vagina, menstruação todos os meses, com seios, pele suave, ausência de barba, forma feminina, quadris largos, ciclo ascendente e decrescente de estrogênio e progesterona, etc.

A transexualidade é, antes de mais nada e acima de tudo, sobre nós e nossos corpos e nosso direito de ser feliz dentro deles, não sobre todas as convenções sociais ou a política de gênero ou sobre o que você acha que a sociedade deve ser ou o que você acha melhor para nós. As pessoas cuja identidade de gênero está em conflito com seu sexo fisiológico continuarão a existir, não importa o quão bem nós acomodemos as variações na expressão de gênero. Resolver os problemas de gênero da sociedade não resolverá todos os problemas de sexo.

Por favor, considere como uma suposição razoável de que nós pensamos nisso, nossas decisões são nossas, e nós não fomos enganadas pelo patriarcado ou o que quer que seja. É uma merda ter pessoas que são ostensivamente seus aliados dizerem que você está vivendo sua vida de forma errada e que a maior, mais importante, mais difícil, mais pensada e avaliada decisão que você já fez foi apenas um resultado de uma lavagem cerebral pelo sistema.

Mito - Você é tão corajosa!

Não. Essa é uma bela ideia, é mesmo, e obrigada. Eu aprecio o sentimento e muitas vezes gostamos de ouvir esse tipo de coisa. É uma ideia extremamente tentadora, também, e difícil de abandoná-la. Seria fantástico acreditar que eu sou essa mulher maravilhosamente corajosa, destemida e forte que superou as probabilidades inimagináveis de afirmar seu verdadeiro eu sem se comprometer com um mundo hostil e intolerável. Mas não é verdade. Não somos corajosas. Estamos nos cagando de medo, com uma dor tremenda e desesperadas por uma saída, e realmente não temos muita escolha.

Imagine que você está sendo perseguido por uma série de lobos grunhindo através de uma floresta obscura e tempestuosa. Eles estão mordendo os seus calcanhares, logo atrás, latindo e rosnando com longos fios de saliva pendurados em suas presas à mostra. Seu corpo está dolorido e ferido e lutando contra o esgotamento, apenas mantendo a corrida através de uma combinação de adrenalina e a certeza terrível da morte se você ceder.

Em algum lugar na escuridão e sombras, de repente você consegue um vislumbre de luz. Você corre para ele, gritando por ajuda o melhor que puder através de seus pulmões estourando e ofegante. É uma cabana. Você finalmente chegou à porta, você a abre, e logo quando um dos lobos iria investir contra a garganta, você bateu e fechou a porta na cara dele. Por fim, você escapou. Você está seguro.

Dentro da cabana, há um velho amigável que fuma um cachimbo e toma um pouco de vinho. Enquanto você permanece lá, tremendo e respirando, chorando e aterrorizado, ele sorri e diz: “uau, você é realmente corajoso”.

Verdade - Alguns de nós são corajosos. Alguns de nós são fortes. Mas nem sempre é esse o caso e isso não pode ser inferido da transição. Nós fazemos o que temos de fazer, nós fazemos apesar de tudo, não importa o quanto estamos com medo.

Mito - Vocês estão se apropriando do corpo feminino.

saiba quais os mitos sobre as mulheres trans e como estes mitos impedem um melhor entendimento sobre a realidade e as verdades na vida das mulheres trans.

A apropriação é cooptar a identidade de outra pessoa. Nós não estamos fazendo isso. Estamos expressando a nossa própria identidade. Não é um ato de tentar imitar ou expressar-se como O Outro, estamos tentando exprimir com mais precisão e honestidade o Eu. Não fazemos a transição para ser uma pessoa nova ou diferente. Nós nos tornamos mais nós mesmas. Nós não colocamos uma máscara, nós a tiramos. Nós não somos *outra metáfora clichê*, apenas somos *metáfora clichê*.

Verdade - Não é SEU o corpo ou sexo que está sendo de qualquer forma apropriado ou afetado. Estamos tomando decisões sobre nossos próprios corpos, nosso próprio sexo, especificamente apenas tentando nos sentir em casa com eles … tais decisões somos nós que temos que tomar. Nossos corpos, nossas escolhas, certo?

Mito - Por que simplesmente você não se aceita como você é? Por que você não poderia aprender a ficar confortável consigo mesmo?

Este mito geralmente é baseado na analogia com cirurgias estéticas e distúrbios alimentares.

Afinal, ensinamos as pessoas a fazer o melhor possível em rumo a aceitação de seus corpos e não se tratarem com auto aversão. Nós ensinamos corretamente às pessoas que a auto-aceitação é de grande importância para o seu bem-estar mental e emocional. A resposta adequada aos problemas de imagem corporal é terapia e reforço da auto-aceitação, e não facilitar uma obsessão com cirurgias estéticas ou permitir um distúrbio alimentar.

Mas disforia de gênero não é tão simples como um “problema de imagem corporal”, e está provado que não responde à terapia e à medicação psicotrópica. Há certas expectativas razoáveis que uma pessoa pode ter para o seu corpo, e existem certos conflitos entre o mapa corporal ou auto-imagem e a configuração física do corpo que merecem ser abordados por meios médicos.

Considere, por exemplo, o caso de enxertos de pele para uma vítima de queimadura, cirurgia plástica para alguém com uma deformidade que a debilita psicologicamente ou socialmente ou próteses para amputados. Nesses casos, não se ensina apenas a auto-aceitação. Isso faz parte do processo, com certeza (como ocorre com a transição de gênero), mas fornecemos intervenção médica e não questionamos nem menosprezamos o seu desejo por isso. Estas pessoas só estão pedindo por um nível relativamente básico de integridade corporal. Esta linha é subjetiva, mas existe.

Se você é cisgênero, pergunte-se: se seus órgãos genitais sumissem ou se desfigurassem em um acidente, você gostaria que alguém o repreendesse por querer uma prótese ou cirurgia estética? Ter um corpo em sintonia com a sua concepção interna de sexo e gênero é uma coisa perfeitamente razoável de se querer e uma coisa muito difícil de se viver sem.

Além disso, esses tipos de procedimentos e a transição de gênero possuem pontos finais e objetivos definidos e específicos. Distúrbios alimentares e cirurgia estética não. Quando uma pessoa tem algum distúrbio psicológico grave da imagem corporal, presumidamente ela nunca se sentirá bonita ou magra o bastante. Elas continuarão infelizes, e as mudanças físicas não resolverão o problema subjacente. No caso da transição de gênero e procedimentos cosméticos para queimaduras e deformidades, há um ponto final e os procedimentos produzem consistentemente um grande benefício psicológico e emocional com melhorias significativas no bem-estar do paciente.

Verdade - A maioria dos procedimentos médicos não são meramente para a manter a vida. Eles têm o objetivo de manter o bem-estar e melhorar a qualidade de vida. É isso que a transição fornece … uma qualidade de vida que um indivíduo pode razoavelmente ter como expectativa. Nenhum outro procedimento ou tratamento já foi provado ser tão eficaz ou útil para enfrentar o extremo dano para saúde mental causado pelo transtorno de identidade de gênero.

Mito - Você não se torna realmente uma mulher. O processo é apenas cosmético. Você ainda é tecnicamente um homem.

Para resumir: não há um motivo particularmente válido para priorizar a definição genética de sexo acima de todos os outros aspectos físicos do sexo: hormônios, características sexuais secundárias, configuração genital, etc. Os cromossomos realmente não desempenham quase tanto papel na diferenciação sexual em humanos, como muitas vezes pensamos que eles fazem. O cromossomo Y é praticamente um resto deteriorado do DNA cuja única função real é transformar as gônadas em testículos. Numa célula XX, um dos cromossomos X é desativado. Como tal, não há diferença funcional real entre uma célula “feminina” e uma célula “masculina”. O processo de diferenciação sexual em seres humanos não é de natureza genética, mas hormonal.

Quanto à questão de ser “cosmeticamente” mulher … as características sexuais secundárias de uma mulher trans não são substancialmente diferentes das de uma mulher cis e são formadas através dos exatos mesmos processos físicos. Se os meus peitos devem ser considerados “cosméticos”, também devem ser os seios de qualquer mulher.

Verdade - Não há uma única variável que possamos indicar capaz de determinar que alguém é “realmente” uma mulher ou não. Fazer isso para qualquer característica individual exigirá necessariamente excluir algumas mulheres cis da categoria. Existem alguns traços que nenhuma mulher trans possui, mas sempre haverá mulheres cis que não possuem essas características também. Como tal, não há uma maneira definitiva para que você possa sugerir que as mulheres trans estão fora da categoria “mulher”, mas todas as mulheres cis estariam dentro. Pelo menos não sem entrar em tautologias como “apenas as mulheres cis são mulheres de verdade porque as mulheres trans não são realmente mulheres”. Na medida em que o termo “mulher” deve ser de todo significativo e consistente, as mulheres trans devem ser incluídas.

Mito - Vocês estão se infiltrando nos espaços femininos e os tornando inseguros.

saiba quais os mitos sobre as mulheres trans e como estes mitos impedem um melhor entendimento sobre a realidade e as verdades na vida das mulheres trans.

Em primeiro lugar, nós somos mulheres. Então, é isso.

Não tenho certeza porque qualquer desconforto que possa surgir de um grupo de mulheres cis sobre o pensamento de ter uma mulher trans no mesmo banheiro, vestiário ou o que for, e o risco percebido; deveriam prevalecer sobre o desconforto extremo e risco físico real que uma mulher trans seria forçada a suportar ao usar instalações masculinas.

Um argumento que eu encontrei repetidamente é “então, que tal impedir que um estuprador, um molestador infantil ou um voyeur coloquem um batom, alegando serem transgêneros para que possam agredir sexualmente suas filhas!” (Acorde assustador e sinistro de um órgão!).

Verdade - Bem … nunca, jamais, houve algum incidente assim. Nenhum homem se disfarçou de transgênero com a intenção de perpetrar tal crime. E se o que está te preocupando é o assédio sexual e o voyeurismo, esses são os problemas que você deve buscar solucionar, implementando políticas contra isso e contra as pessoas que você deveria estar demonizando. Não demonize e puna pessoas trans inocentes em razão de algum selvagem hipoteticamente imaginado.

Você proibiria as lésbicas de usarem instalações femininas com base na possibilidade de voyeurismo delas? Não, provavelmente não, e é extremamente improvável estatisticamente que as lésbicas cometam agressão sexual em tal cenário. Mas … é igualmente improvável que as mulheres trans façam isso. E se lembra daquela coisa sobre nossas libidos? Nossa dificuldade em conseguir a ereção se ao menos ainda temos um pênis?

Se a prevenção contra o assédio sexual é algo que você está intensamente interessado em fazer, comece por se concentrar em desmantelar uma cultura misógina que objetifica e desvaloriza as mulheres e coloca sua humanidade como secundária aos seus corpos.

Há também muito ódio e controvérsia na comunidade feminista sobre outros tipos de espaços femininos. Um exemplo particularmente proeminente é o Michigan Womyn’s Music Festival, que impõe uma política trans-excludente de “Mulheres-Nascidas-Mulheres” (embora seja permitido que homens trans assistam e performem). Muitas das justificativas são paralelas às da direita Cristã em nos proibir o acesso aos banheiros e vestiários femininos: somos homens na verdade, o ambiente se torna inseguro (novamente, não há absolutamente nenhum tipo de dado para alegar isso), que seria sobre evitar que homens apareçam sob o pretexto de serem trans, etc.

Mas há questões adicionalmente complexas. Uma é a atitude transfóbica geral em certos ramos do feminismo (particularmente o feminismo radical) … A noção de que estamos reforçando o binário de gênero (que se relaciona com a questão do “por que você não se aceita” e a confusão entre identidade de gênero e expressão de gênero); a estranha insistência hipócrita e essencialista de gênero que, embora conceba o gênero como “apenas uma construção social”, vincula-se à ideia de que nós estamos, contudo, completamente presos ao nosso sexo assignado e que não podemos transcendê-lo; muitas alegações bio-essencialistas (como, literalmente: “o estupro é codificado no cromossomo Y” … Eu realmente encontrei essa afirmação); etc.

Também às vezes é insistido que, pelo fato de nos faltar uma infância feminina e a socialização de gênero concomitante, não poderíamos entender a experiência feminina. Isso é verdade em um sentido … há muitos aspectos de uma vida feminina que não experimentei e alguns os quais eu nunca experimentarei. Mas isso é verdade para todas as mulheres. Não existe uma narrativa feminina universal e inabalável que todas experimentariam exatamente iguais. Há tantas histórias como há mulheres. Acreditar que se qualquer coisa em particular estiver ausente significasse que alguém não é uma mulher “de verdade” e não é capaz de entender o que é ser mulher; é o mesmo que não conseguir entender que esta noção de feminilidade implicaria necessariamente na exclusão de um monte de mulheres cis também.

Todas essas noções parecem ser circunlóquios em que se realizam acrobacias intelectuais para tentar disfarçar a transfobia como sendo, de algum modo, uma extensão do próprio feminismo, quando na realidade isso se choca diretamente contra vários princípios fundamentais do feminismo … que nossas vidas, escolhas, identidades e o que fazemos com nossos corpos não devem ser ditados por forças externas ou sermos forçadas a nos conformarmos com o que a sociedade nos diz para sermos com base na nossa anatomia particular.

Natalie Reed é uma mulher trans, escritora e ativista que atualmente vive em Vancouver, Canadá. Escreve sobre feminismo, teoria de gênero e direitos da população trans e queer, questões sobre estupro/assédio, problemas de dependência e drogas, dentre outras preocupações de justiça social, como direitos das trabalhadoras sexuais e dos prisioneiros. Gosta também de cultura pop e quadrinhos. Natalie pode ser encontrada no Twitter @nataliereed84.

Gostou deste texto? Curta, compartilhe e encaminhe para seus amigos e quem você achar que precisa de mais informações sobre o universo das mulheres trans.

A informação adequada tem o poder de quebrar falsos paradigmas e modelos sociais que não fazem mais sentido nos dias em que vivemos. Viva as mulheres trans e todas as formas de amar!!

Sábado, 18 de Julho de 2020 Domingo, 26 de Julho de 2020 às 13:52